Descrição e Previsão do Tempo Atmosférico

Importância da meteorologia
Elementos atmosféricos
Fenómenos meteorológicos
Cartas e boletins meteorológicos

Influência da Actividade Humana na Atmosfera e no Clima

Poluentes atmosféricos
Redução da camada de ozono
Aquecimento global

instituto_meteorologia.jpg

external image topo_AI_2.jpg
> Notícias do Instituto de Meteorologia
external image banner_AI.jpg

Importância da Meteorologia


A meteorologia é a ciência que estuda o tempo atmosférico (estado do tempo, condições atmosféricas ou condições meteorológicas), para se conhecer o estado do tempo presente (vigilância meteorológica) e prever o estado do tempo (previsão significativa).
A meteorologia também estuda o clima e a composição da atmosfera (ambiente atmosférico) que pode afectar o clima.

Em Portugal, a meteorologia é estudada pelo Instituto de Meteorologia (IM).

A meteorologia é muito importante para:

O tempo atmosférico é o conjunto dos elementos atmosféricos, que ocorrem na atmosfera, num local e ao longo do dia.

Os elementos atmosféricos são grandezas meteorológicas (propriedades da atmosfera que se podem medir):
  • Temperatura do ar;
  • Humidade;
  • Pressão atmosférica;
  • Vento;
  • Nebulosidade (nuvens, neblina e nevoeiro);
  • Precipitação (chuva, neve, granizo e saraiva);
  • Orvalho;
  • Geada;
  • Radiação solar (insolação);
  • Descargas eléctricas.

Os elementos atmosféricos são medidos com instrumentos, que recolhem os dados meteorológicos:
  • Termómetro - Mede a temperatura do ar e a unidade de medida é o grau Celsius (ºC);
  • Barómetro - Mede a pressão atmosférica e a unidade de medida é o hectopascal (hPa). O seu valor é reduzido ao nível médio do mar (para que todas as localidades fiquem à mesma altitude);
  • Higrómetro - Mede a humidade relativa do ar e a unidade de medida é a percentagem (%);
  • Pluviómetro - Mede a precipitação (pluviosidade) e a unidade de medida é o milímetro (mm);
  • Anemómetro - Mede a velocidade (intensidade) do vento e a unidade de medida é o quilómetro por hora (km/h);
  • Cata-vento - Mede a direcção (rumo) do vento e representa-se por uma seta (vector), que aponta para um determinado ponto cardeal (N, S, E, O...);
  • Célula de silício fotovoltaica (painel solar fotovoltaico) - Mede a radiação solar e a unidade de medida é o quilojoule por metro quadrado (kJ/m2)
  • Estações meteorológicas de superfície - Servem para realizar medições na superfície terrestre (ver os dados meteorológicos de superfície em Portugal e nos centros urbanos );
  • Estações aerológicas - Servem para realizar medições, desde a superfície até 30 Km de altitude, através de balões meteorológicos com radiossonda (ver os dados das sondagens aerológicas);
  • Radares meteorológicos - Emitem ondas de rádio e servem para medir a dimensão das gotas de chuva e das pedras de granizo (reflectividade - a unidade de medida é o decibel de Z - dBZ), a sua velocidade (a unidade de medida é o metro por segundo - m/s), e a intensidade da precipitação (a unidade de medida é o mm/h) (ver as imagens de radar);
  • Detectores de descargas eléctricas atmosféricas - Servem para registar o instante, o local e as características (polaridade, intensidade e multiplicidade) das descargas eléctricas atmosféricas (raios ou relâmpagos das trovoadas) (ver os dados das descargas eléctricas atmosféricas);
  • Satélites meteorológicos - São classificados de acordo com a sua órbita à volta da Terra (ver as imagens de satélite):
    • Geossíncronos ou geostacionários (GEO - Geostationary Earth Orbit), que se encontram sempre sobre o mesmo local da Terra (sobre o equador), a cerca de 36.000 km de altitude (satélites europeus Meteosat);
    • Heliossíncronos ou polares (LEO - Low Earth Orbit), que têm uma órbita que passa pelos pólos e pelo equador, a cerca de de 800 km de altitude (satélites europeus Metop e americanos NOAA).
  • Estações ambientais - Servem para medir a concentração dos constituintes atmosféricos que podem afectar os ecossistemas, a saúde humana e o clima (ambiente atmosférico):



Os fenómenos meteorológicos são provocados pela variação brusca dos elementos atmosféricos:
  • Ondas de calor e de frio;
  • Secas;
  • Inundações;
  • Tempestades de neve (nevões);
  • Trovoadas;
  • Tornados;
  • Trombas de água;
  • Trovoadas;
  • Ciclones (furacões ou tufões).



Massas de Ar


As massas de ar são partes da atmosfera em que a variação da temperatura e da humidade é pequena, e onde se desenvolvem condições meteorológicas que se deslocam devido ao vento.
Existem vários tipos de massas de ar, classificadas de acordo com a sua origem e com o tipo de ar:
  • Massas de ar tropical - têm origem nos trópicos;
  • Massas de ar polar - têm origem nos pólos;
  • Massas de ar marítimo - têm origem no mar;
  • Massas de ar continental - têm origem na terra;
  • Massas de ar frio;
  • Massas de ar quente;
  • Massas de ar húmido;
  • Massas de ar seco.

Quando duas massas de ar diferentes se encontram forma-se uma superfície frontal (frente), que é uma zona da atmosfera onde se formam muitas nuvens, chuva ou neve, durante uma faixa larga (por ex., com cerca de 300 km).
As superfícies frontais podem ser quentes, frias e oclusas.
Na superfície frontal quente (frente quente), o ar quente avança e desloca-se por cima do ar frio.
Na superfície frontal fria (frente fria), o ar frio avança e empurra o ar quente para a frente. Neste caso, forma-se chuva forte, durante pouco tempo e numa faixa estreita (por ex., com cerca de 80 km), seguida de aguaceiros no ar frio, durante uma faixa larga (por ex., com cerca de 300 km).
Na superfície frontal oclusa (frente oclusa), o ar frio avança e empurra o ar quente para cima, passando por baixo e originando uma zona de ar fresco.


Projectos


A Poluição do Ar
(tipos de poluentes atmosféricos, causas, consequências e como evitar, qualidade do ar em Portugal)
O Aquecimento Global
(tipos de gases com efeito de estufa, causas, consequências e como evitar)
O Buraco do Ozono
(tipos de gases que reduzem a camada de ozono, causas, consequências e como evitar)
Os Satélites Meteorológicos
(tipos de satélites meteorológicos, como funcionam, análise de imagens de satélite)


Trabalhos Individuais


Descrever o fenómeno meteorológico que ocorreu na Madeira, no dia 20 de Fevereiro de 2010, referindo as condições atmosféricas, a carta meteorológica e a importância da instalação de um radar meteorológico.
Podem consultar sites com notícias (jornal público, expresso...) e o site do IM:
http://www.meteo.pt/pt/otempo/comunicados/index.jsp
http://www.meteo.pt/pt/media/noticias/newsdetail.html?f=/pt/media/noticias/textos/temporal_Madeira.html
http://www.meteo.pt/pt/media/noticias/newsdetail.html?f=/pt/media/noticias/textos/IM_inicia_relclimaMadeira.html

Construir um barómetro
Construir um higrómetro
Construir um pluviómetro
Construir um anemómetro e um cata-vento
Recolher e analisar cartas meteorológicas e descrições do estado do tempo (boletins meteorológicos de jornais e de sites)
Recolher e analisar notícias sobre os fenómenos meteorológicos que provocam desastres naturais (ciclones, tempestades, tornados, furacões, tufões, cheias, secas...)
Recolher e analisar imagens, simulações, animações e vídeos sobre os fenómenos meteorológicos
Construir e analisar tabelas e gráficos, com a variação dos parâmetros meteorológicos ao longo do dia (comparar os valores registados com os valores publicados)
Construir um mapa de conceitos
Construir um glossário


Sites


Meteorologia(Wikipédia)
World Meteorological Organization (Organização Meteorológica Mundial)
Global Atmosphere Watch